quarta-feira, 9 de novembro de 2016

TRUMP GANHOU! E O FUGITIVO DE AGUIAR DA BEIRA ENTREGOU-SE!



O mundo está a mudar... mas para pior! As pessoas, de uma maneira geral, comportam-se como se estivessem num Reality Show, como se quem dá mais pontapés, quem mais diz palavrões, quem faz mais sexo, quem tem mais luxo para mostrar, quem é mais show off, fosse dono do mundo!...

O discurso de vitória é de quem está com medo do futuro... Está mansinho, mansinho, atordoado e sem saber muito bem o que fazer com a vitória porque ele NÃO É UM POLÍTICO, ele é um homem rico, que gosta de luxo e de mulheres bonitas, que é xenófobo e destila veneno, que é ágil com assuntos de extrema seriedade e cruciais. O que esperar DESTE HOMEM a governar um dos países mais poderosos do mundo?

Eu diria que o mundo está a ficar gravemente doente, em todos os sentidos, em todos os lugares, em todas as latitudes há uma espécie de loucura coletiva, de divisão, de bizarria, de falta de noção das responsabilidades. A INQUIETUDE aumenta, TUDO é POSSÍVEL FUTURAMENTE! A INCERTEZA É O FUTURO!...

Por cá entregou-se Pedro Dias e parece que a sua calma, a sua postura, o seu aspeto escanhoado, limpo, de quem se tem alimentado bem e tem andado a brincar ao gato e ao rato com as autoridades, deixou a experiente jornalista Sandra Felgueiras boquiaberta, de tal modo que parecia estar a falar de um quase santo, uma aparição, de um "queridinho" qualquer que não mata uma mosca... Vamos aguardar para ver mais este inusitado folhetim.

Eu bem digo que anda tudo maluco!...

40 comentários:

  1. Parabéns pelo texto, curto e claro, diz tudo!!! E não é preciso mais, vejamos: E ao terceiro dia a Web Summit acordou em estado de choque. E não foi por causa das falhas do wi-fi. A eleição de Donald Trump dominou o início da cimeira, com Paddy Cosgrave, o mentor da evento, a pedir a todo o auditório que acendesse as lanternas dos telemóveis, numa espécie de vigília improvisada pelo mundo.

    “O que aconteceu ontem à noite?”, questionou o moderador David Patrikarakos. “Era suposto ter um painel fácil em que iríamos falar de Hillary Clinton. Tinha algumas questões planeadas, mas agora vamos discutir sobre como iremos procurar abrigo para os próximos anos”, afirmou. Mas a frase que acabaria por marcar o debate acabaria por vir de Bradley Tusk, presidente e fundador da Tusk Holdings, um dos maiores investidores em startups dos EUA: “Senti-me envergonhado por estar aqui no meio do vocês, europeus, com isto a acontecer no meu país”.

    ResponderEliminar
  2. Show off é a vida do Luís ribeiro. Com tanta sede de poder vai perder tudo ate a mulher que e fruta a mais para ele.

    ResponderEliminar
  3. Que esperar de um magnata que só vê cifrões à frente dos olhos e cujo impéria deixa os mais distraídos de boca aberta. Mormente porque o homem hoje Presidente dos USA foge aos impostos e faz sei lá mais o quê. Pobre América que julga que o homem vai distribuir dividendos dos hotéis de luxo... Que tristeza de mundo!!!

    ResponderEliminar
  4. Sandra Felgueiras estava alucinada a falar do fugitivo Pedro Dias. Parece que estava a falar de um herói inocente, um pobre coitado que precisa que seja feita justiça. Caricato no mínimo, tanto mais que se trata de homem bem nascido, com dinheiro e status, pai engenheiro, etc. Se fosse um pobre coitado a conversa da jornalista era outra. Penteado, escanhoado, bem vestido, bem alimentado, apresentou-se como se de um reality show se tratasse. Aliás, o MUNDO ESTÁ UM REALITY SHOW!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  5. "Aconteça o que acontecer, o Sol vai nascer de manhã." O otimismo pragmático de Barack Obama, no início da noite das eleições, foi o único sinal de luz nas trevas que cobriram o planeta. Donald Trump, o misógino, o bronco, o mentiroso, o racista, o xenófobo, será o próximo Presidente dos EUA. O líder do mundo ocidental. O populista que prometeu erguer um muro de proporções faraónicas para não deixar entrar imigrantes e ainda garantiu que iria deportar os 12 milhões que vivem sem documentos no país. Que jurou guerra a toda uma religião – não a terroristas, mas aos muçulmanos. Que vai rasgar os compromissos para combater as alterações climáticas porque isso é uma balela inventada pelos chineses, como recorda Filipe Fialho no artigo de capa da VISÃO desta semana. O homem imprevisível que terá os códigos nucleares no bolso.

    Não há como acordar deste pesadelo. "A democracia é a pior forma de governo, exceto todas as outras que já foram tentadas", disse Churchill, em 1947, durante uma sessão na Casa dos Comuns. Nunca como hoje esta ideia foi tão posta em causa. É isto a democracia? Sim, é isto. Uma pessoa, um voto. Para o melhor e para o pior. É o que é. Esta eleição foi decidida por pessoas racistas com pouca educação e ainda menores rendimentos? Então esse é um falhanço de todo o sistema, de todo um país, que não soube educar nem dar uma vida decente às suas gentes. Gentes que se sentiram cada vez mais excluídas e marginalizadas pelas distantes elites políticas de intelectuais, como se explica na VISÃO, e que agora decidiram acordar, dar um murro na mesa. Um murro que espalhou ondas de choque de uma ponta à outra do planeta.

    Em retrospetiva, talvez o otimismo de Obama seja só aparente. Soa a desespero. Quem diz que ao menos o Sol vai nascer de manhã é alguém que não encontra nada de bom para dizer. E será que há? EXPRESSO

    ResponderEliminar
  6. Veio na honorável secção «Gente» do semanário Expresso da semana passada, mas ninguém ainda veio responder, talvez porque o silêncio e o deixar passar sejam o bom remédio para as maleitas habituais de quem pretende manipular este mundo e o outro.

    A propósito do lançamento do inacreditável livro de JS, promovido aos sete ventos e com autocarros transmontanos despejados de gente que vinham numa excursão benemérita à capital, como o CM provou, diz então o Expresso que o livro da Sextante foi anunciado a uma mailing list partidária que compreensivelmente não poderia conhecer.

    E isso é algo que devia incomodar o editor, seja ele João Rodrigues ou o chefe supremo Manuel Alberto Valente, mas nem dum nem de outro veio um pio de esclarecimento ou refutação, talvez porque toda a manobra mediática seja ela mesma mais determinante do que o livro em si, qualquer que seja o seu verdadeiro redactor.

    Não é possível encarar seriamente o sector editorial e livreiro sem uma resposta capaz a esta dúvida lançada pelo maior semanário português. Pode ser, e acredito que seja, que a cumplicidade política — de anterior, curto ou longo prazo — tenha decidido certas coisas que devem repugnar homens livres.

    Mas a liberdade, importa dizê-lo, não é sonho ou verdade de quem apenas ambiciona uma coisa: poder. Por mesquinho, inútil, vil, covarde, insignificante que seja.

    É triste, é fado — mas é uma merda. A merda que temos e prevalece. Sem carisma de espécie nenhuma, afinal.

    Estão bem uns com os outros, riem, abraçam-se, continuam. São a nossa vergonha, mas abeiram-se dos panteões, porque não sabem nem sonham para lá de si mesmos, numa voracidade delirante.

    Não ter a mínima ilusão sobre eles é indispensável a gente livre e recta, correcta.

    O Sextante, invenção portuguesa, é desonrado por eles. Envergonhar-se-iam se fossem capazes! Mas simplesmente não são... A louca presunção de que são Alguém impede-os dessa honestidade sincera.

    A ambição dos pequenos é serem grandes. Os grandes são-no simples, modestamente. É a diferença que não podem entender. Por mais livros que digam ter lido...

    ResponderEliminar
  7. Agora os murros na tromba do Trump que o ator Robert de Niro queria dar, ficam para outra ocasião... O ator até está passado com os acontecimentos. Inacreditável. O mundo está mesmo louquinho da Silva!!!!

    ResponderEliminar
  8. Websummit, a cimeira dos anjinhos Ponto prévio: a vinda da Websummit para Portugal é uma boa notícia para Lisboa e para o país. Há, porém, alguns mitos que convém esclarecer sobre empreendedorismo e investidores que nela participam. Comecemos pelos investidores. Porque há já alguns anos me dedico ao estudo desta matéria, tendo inclusive publicado alguns artigos em revistas da especialidade, esta notícia do jornal" Público" deixou-me boquiaberto. «Falta de capital público fez cair em 16% o investimento dos business angels» (Público, 6/6/16). Os meus neurónios dispararam e a pergunta brotou, inevitável:Que tem o capital público a ver com o investimento dos business angels nas start ups? Fui investigar e cheguei a conclusões muito interessantes. Antes, porém, esclareço os leitores menos familiarizados com o tema que um "business angel" é um investidor que arrisca o seu capital em startups, (ainda em fase embrionária) sem que exista uma relação familiar entre e a em TRUMP GANHOU! E O FUGITIVO DE AGUIAR DA BEIRA ENTREGOU-SE.

    ResponderEliminar
  9. Websummit, a cimeira dos anjinhos





    Ponto prévio: a vinda da Websummit para Portugal é uma boa notícia para Lisboa e para o país.
    Há, porém, alguns mitos que convém esclarecer sobre empreendedorismo e investidores que nela participam. Comecemos pelos investidores.
    Porque há já alguns anos me dedico ao estudo desta matéria, tendo inclusive publicado alguns artigos em revistas da especialidade, esta notícia do jornal" Público" deixou-me boquiaberto.

    «Falta de capital público fez cair em 16% o investimento dos business angels» (Público, 6/6/16).

    Os meus neurónios dispararam e a pergunta brotou, inevitável:Que tem o capital público a ver com o investimento dos business angels nas start ups?
    Fui investigar e cheguei a conclusões muito interessantes.
    Antes, porém, esclareço os leitores menos familiarizados com o tema que um "business angel" é um investidor que arrisca o seu capital em startups,
    (ainda em fase embrionária) sem que exista uma relação familiar entre o investidor e a empresa. Normalmente são investimentos de elevado risco e numa lógica de longo prazo, por se tratarem de empresas emergentes que exploram áreas de negócio novas.
    Ora, dentro desta lógica, a notícia do Público levantou-me a seguinte questão:
    Se os business angels estão a investir e arriscar o seu próprio dinheiro, como é que a falta de capital público fez cair o investimento que fazem? A não ser que...
    Pois, é isso mesmo, caro leitor. Estes investidores tão bonzinhos, que até são conhecidos como anjos, investem nas start ups, mas não sem um amparo do Estado, Ou seja. Investem, mas precisam do nosso dinheiro como garantia.
    Muitos destes business angels, provavelmente, criticam o governo por não dar apoio às start ups às segundas, quartas e sextas, mas nos outros dias da semana insurgem contra a intromissão do Estado nos negócios dos privados.
    Certo, é que assim que a teta do Estado secou, fizeram um manguito às start ups. Eu preferia chamar a esta gente investidores comissionistas, ou funcionários investidores, mas business angels, além de ser fixe, é inglês.
    Quanto aos anjinhos, somos nós, contribuintes que merecemos o título. Sempre é melhor do que chamarem-nos patos...

    ResponderEliminar
  10. João Galamba esteve ontem na Assembleia Figueirense explicando aos militantes o O.E. sem que o Presidente da Câmara estivesse presente, nem a Vereação, nem tão pouco o Presidente da Concelhia. Por sua vez, para o mesmo dia havia um encontro com distintos oradores, no Museu Municipal, sobre o tema: Guerra e Propaganda!!!!!!!!!!!! Ora eu pergunto: Que nerda é esta?
    Encontra-se na Figueira um distinto parlamentar, um elemento da máxima confiança de António Costa, um distinto defensor do Partido Socialista nos debates televisivos e, acima de tudo, um profundo conhecedor dos meandros de economia do estado, particularmente, do O. E. COMO É POSSÍVEL SEREM; MARCADOS 2 acontecimentos, sendo que um é de extrema importância porque faz parte da nossa vida o O.E. sem que tivesse havido articulação interna do Partido para não deixar uma pessoa da importância de João Galamba a falar para uma falange sem que outra parte importante não estivesse presente. Eu até aceito as divisões internas porque, infelizmente, muitos fazem por merecer as divisões cavando fossos no partido(s) e merecendo, muitas vezes mais desprezo do que simpatia. Mas, sinceramente, com coisas sérias como é o caso da discussão do O.E. e da vinda de João Galamba já me parece demais brincar-se com esta nerda das ausências do Presidente da Câmara, do Presidente da Assembleia Municipal que, quando apareceu, já tudo tinha acabado, e dios Vereadores e Presidente da concelhia. HAJA DECORO QUANDO SE MARCAM AS COISAS!!!!! É demais semelhante anarquia, é até desrespeitosa para o Governo Central. E os militantes não são bolas de pingue pongue!!!!!!!!!! TENHAM VERGONHA UNS E OUTROS. SEJAM HOMENZINHOS. JÁ BASTA DE TANTA NERDA!!!!! VERGONHOSO!!!!! SERÁ QUE ALGUM XICO ESPERTISMO CONVIDA AS PESSOAS QUANDO SABE QUE HÁ OUTRAS MARCAÇÕES, CASO DO DEBATE DO O.E., OU O INVERSO É VERDADEIRO???? QUE NERDA ESTA!!!!!!!! PORCARIA MESMO!!!!!! VERGONHOSO!!!!!!

    ResponderEliminar
  11. Será que os convidaram???? À mesma hora estava na Figueira a Secretária de Estado do Ensino Superior...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Secretária de Estado do Ensino Superior!?!?!?!? Não sei de nada e tenho as quotas em dia!!!!!!!!!!!!!!!!!!

      Eliminar
  12. Deixe lá deviam estar reunidos na Sede fantasma sem luz nem água a falar sobre I guerra mundial (tema bem mais interessante do que discutir o Orçamento de Estado e ouvir o João Galamba!!!) mas na conferência também não estavam ou então estariam encapuçados pois tirando o Ataíde não vi lá nenhums. esta concelhia do ps é uma nódoa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não estava lá Ataíde nenhum!!!!!!!

      Eliminar
  13. Mas o presiente da Concelhia aparece em algum lado? Não foi ver o Galamba é? E do trabalho menos menos zero como vereador não se fala? E do partido com trancas à porta e culpas postas no Costa não se fala?????????????????? Isto está abater no fundo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olha Xico Esperto não queres tu pagar as contas do teu bolso? Não compete à Figueira pagar luz e água nem despesas nenhuma. 1º é contra a lei, 2º o dinheiro vai todo para Lisboa referente ao pagamento das quotas, 3º é à Federação que compete pagar porque parte do quinhão é-lhe enviado de Lisboa do Rato para abastecer as Concelhias de modo a fazerem face às despesas. Não sabes mas vereadores, Presidente da Concelhia e militantes pagaram anos a fio, mas agora, além de ser contra a lei tb já BASTA. Quando abres a boca só sai porcaria...

      Eliminar
  14. Na minha opinião a vinda do Joao Galamba á Figueira a convite seja de kem for só pode ser aplaudida. A surpresa e revolta aqui demonstrada por alguns xicosespertos e de uma hipocrizia extrema fonix. Pode doer a alguns mas é o primeiro deputado a mostrar trabalho e falar com os eleitores figueirenses em vários anos. Isto é mau? não tiveram outros a mesma oportunidade e marimbaram-se para PS e pá Figueira?

    ResponderEliminar
  15. A comissão politica já devia ter perdido o mandato. Reuniu ao final de um ano. VERGONHA! Portugal é o pior Presidente de sempre do PS. O Partido Socialista na Figueira não existe. O Rei vai continuar a pavonear-se por mais quatro anos. Ainda falam do Trupm. Câmara da Figueira PS é TRUMP do pior que exitiu e existe.

    ResponderEliminar
  16. Tu é que devias ser internado para tratar do juízo. Isso é psicose e da grave. Trump és tu e C&A ldª.

    ResponderEliminar
  17. A realidade é esta, os juros da dívida pública a baterem números record de alta (e risco). Mas para o inenarrável «jornal» da noite da Sic trata-se do «efeito Trump» (que misteriosamente coloca os nossos juros acima dos 3,5% mas os de Espanha abaixo dos 2% e os da Alemanha próximos do zero).

    E agora, para algo completamente diferente: quem queira ler boa informação, aliás, informação sob a tónica da inteligência e da elucidação sobre a realidade, deve (tem que) ler as edições de fim-de-semana e de segunda feira do Financial Times, onde Trump, a nova presidência americana, a realidade económica e política, a situação na América, na Europa e no Mundo, as hipóteses e os riscos do futuro na política, no investimento, no comércio internacional , tudo isso está tratado com seriedade e em benefício de gente pensante.

    A distância entre o Financial Times e a Sic é a distância entre o mundo civilizado e as trevas.

    P.S. E, já agora, para informação comum : o principal efeito Trump (e dos investimentos de triliões em obras públicas que o rpesidente eleito anunciou) será a reanimação do mercado de acções e a hibernação do mercado de obrigações, ou seja, exactamente o contrário do que a Sic propõe (ou por estupidez ou por má fé muito orientada, uma coisa ou outra).

    ResponderEliminar
  18. Reforma aos 70 anos motivo de entendimento...




    Quem diria, CDS-PP, PSD e PS entendem-se para recomendar ao governo que equipare ao sector público o regime do sector privado, em que é permitido, a quem pretender, continuar a trabalhar depois dos 70 anos.

    Registo com agrado que tenham convergido neste aspecto. Em matéria de pensões e temas adjacentes os desentendimentos políticos têm sido a regra.

    Os reformados da CGA estão, em regra, impedidos de trabalhar para o Estado e outras entidades públicas. Em face desta proibição, ainda que os trabalhadores estejam nas suas plenas faculdades, a aposentação compulsiva aos 70 anos afasta-os da possibilidade de continuarem funções de forma regular para essas entidades, limitando, portanto, o aproveitamento das suas capacidades. Muitas vezes, perde o Estado, e a sociedade em geral, por lhe ser vedada a possibilidade de recorrer a estes profissionais.

    Quem não tem presente as medidas de governos anteriores, que julgo se mantêm, de contratarem médicos reformados devido à falta de profissionais. Ou quem não conhece professores universitários que de um dia para o outro interrompem abruptamente a sua actividade, sem a vontade de ambas as partes, nem qualquer vantagem para uns e outros.

    Num contexto de aumento da esperança média de vida aos 65 anos a barreira legal dos 70 anos não faz sentido. O envelhecimento activo não recomenda este estigma. Faz sentido que em função das capacidades do trabalhador e das necessidades da entidade patronal as partes acordem na vantagem da continuação de uma relação contratual/laboral. Se a idade normal de reforma vai aumentando, é expectável que mais trabalhadores tenham condições para continuar até mais tarde e o queiram fazer.

    A permanência dos trabalhadores mais velhos por mais tempo no activo permite que o seu conhecimento e o seu saber sejam transmitidos de forma mais duradoura aos trabalhadores mais novos que com a sua energia e frescura aprendem e crescem com a experiência daqueles. Estas ligações intergeracionais podem constituir um factor de coesão social, assim as organizações e a sociedade saibam aproveitar.



    A possibilidade de permanência, combinada com mecanismos de reforma parcial e de reforma gradual, introduz flexibilidade a muitos níveis e os sistemas públicos de pensões agradecem.

    ResponderEliminar
  19. O descaramento é evidente. apresentar o programa de final de ano num espaço degradado, que por vezes mais parece uma lixeira, só mesmo do rei o outro que é não é candidato a buarcos.

    ResponderEliminar
  20. Será que Galamba veio apresentar o orçamento do ps, do próprio ps, esclarecendo como se vai eliminar um passivo de mais de uma dezena de milhões de euros? Que pena o rei não ter estado presente,pois sempre podia explicar como é que se faz.

    ResponderEliminar
  21. Vergonha é coisa que já perderam há muito tempo.

    ResponderEliminar
  22. Já repararam na técnica de plantação do jardim em frente ao gabinete do Rei? vai ficar um mimo.
    Será experiência piloto para se estender aos restantes jardins da cidade?( sim que nas Freguesias é mato).

    ResponderEliminar
  23. Já sabíamos que há austeridade de esquerda, que é boa, e austeridade de direita, que é má. É como o proteccionismo anti-globalização: há as fronteiras de esquerda que são boas, e as de direita que são xenófobas. Mas ainda não sabiamos que há deportações em massa boas (de esquerda) e deportações em massa más (de direita): o ministro dos Negócios Estrangeiros vem agora bradar aos céus muito indignado com a ameaça de deportações de Donald Trump. Onde é que estava o escandalizado Santos Silva durante a deportação de 2,5 milhões de imigrantes ilegais feita pela administração Obama?

    ResponderEliminar
  24. Um PIB poucochinho...




    Pelo que vi, geringonça e telejornais, comentadores e pensadores a mando, embadeiraram em arco com o espectacular crescimento homólogo de 1,6% do PIB no 3º trimestre de 2016. Exactamente o mesmo crescimento do 3º trimestre de 2015, em relação ao de 2014. E a primeira vez em que o crescimento homólogo de 2016 consegue igualar o do ano anterior. Nos 1º e 2º trimestres de 2016, o crescimento homólogo foi de 0,9%, contra os 1,7% dos 1º e 2º trimestre de 2015.

    Face ao proclamado, um crescimento muito poucochinho, uma aposta falhada. Longe, muito longe de se poder atingir aquele número eleitoral de 2,4% dos ilustrados economistas do PS.

    Pior ainda: a economia cresceu sobretudo por força dos esforços das empresas exportadoras, que as políticas públicas em nada favoreceram, e não graças à grande aposta do governo na expansão da procura interna. Claro que assim é pura falácia o mérito que a geringonça todo o dia se arrogou. A economia cresceu devido à sua força intrínseca, e apesar das más políticas públicas governamentais.

    Ah, e há um ano, o crescimento do 3º trimestre era a prova do descalabro e falhanço do governo anterior; agora, o mesmo crescimento comprova o colossal mérito da geringonça.

    Mas temos que nos habituar: com este 1º ministro, a vitórias poucochinhas seguem-se outras ainda mais poucochinhas. Coisas dos novos tempos...

    ResponderEliminar
  25. Então afinal quem é mesmo o candidato a Buarcos ?
    Alguém me sabe dizer ?
    Já ouvi falar no Zé Carvoeiro em troca de cargo com o Maquinista, é verdade?

    ResponderEliminar
  26. Isabel Cardosão disponível para avançar para Buarcos...

    ResponderEliminar
  27. o Zé dos anzóis analfabeto ainda não percebeu que não é candidato a Junta? A maminha para ele e para o suga vai acabar. temos pena. Água para a baldeação.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. \Vcs andam todos gbrossos... A Cardosão, coitada levava uma chumbadela que nunca mais se via... e Esteves ir embora? Ganhem juizo e creçam rapazes, o Esteves tem o povo por ele, é trabalhador, anda no terreno e vcs querem é mama. O Esteves tem a lei de recandidaturas dos actuais presidentes de câmara e de Junta apoiadas pelo PS. Vão apanhar gambusinos e deixem-se de da mania dos Drs. alguns são autênticas nerdas, nem falar sabem, não sabem de política, parecem uns atrasados. O Dr. não dá nada a ninguém, dá o conhecimento numa determinada vertente, o resto é preciso ler, estar informado, ser inteligente, interessado e ser leal.

      Eliminar
  28. O presidente da junta ideal é o Quim de Sousa. Conhece a freguesia melhor que ninguém. Ainda agora o demonstrou com a história da sardinha. Atirou-se ao Tavares. E bem.

    ResponderEliminar
  29. Nerda o Esteves Topada é ANALFABETO!! Não é por ser ou não doutor ou engenheiro mas sim porque é ANALFABETO!!!! Serve para mamar e dar de namar ao genro. Qual é a parte que nao entendes? Deve ser da nerda!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. tu és um tó.................. sabes o que quer dizer????????????? Suino!!!!!!!!!!!!!

      Eliminar
  30. Nerda, ainda que possas saber que um Tó é (suíno) e que até sabes fazer palavras cruzada, sabes bem que o Esteves Topada é um ANALFABETO útil para ti e para muita gente que mama. Já chega!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que tu queres sei eu. Mas cresce, és muito novo. Não tenhas tanta sede de poder. Acalma porque as pessoas estão todas a apoiar o Presidente da Junta Buarcos e São Julião, gostam do trabalho dele, do interesse dele em estar no terreno e tentar resolver as coisas. Cresçam e apareçam.

      Eliminar
  31. E ele a dar-lhe com o Joaquim Sousa. Não há pachorra, bolas...

    ResponderEliminar
  32. O Zito, essa grande figura de Buarcos também não seria bom candidato?

    ResponderEliminar
  33. Irónico como a propósito de Donald Trump e Marine Le Pen o “jornalismo de referência” só agora descobriu o fenómeno do “populismo” que caracteriza pela “utilização de mensagens demagógicas, soluções irrealistas para problemas complexos emitidas através de imagens simplistas proclamadas em frases curtas de fácil compreensão principalmente através das redes sociais”. Afinal como é que os partidos do sistema vêm alcançando os seus resultados e desiludindo o eleitorado? Debatendo abertamente os desafios que pendem sobre a nossa sociedade e as reformas cada vez mais urgentes? Ou será que o adjectivo “populismo” só se aplica quando a oligarquia não gosta dos resultados?

    ResponderEliminar