quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

ORÇAMENTO...


Foi ontem que Teixeira dos Santos nos deu a conhecer as linhas mestras que presidiram ao Orçamento apresentado à comunicação social para o ano de 2010.

Todos estávamos já á espera de um orçamento rigoroso, penalizante para os portugueses, que não lhes deixaria grande (nenhuma) margem de manobra e que nos daria mais do mesmo ou seja:

"ESPERAR POR DIAS MELHORES"...


Os argumentos eram os esperados:


  • Estamos já a saír da crise... (!)
  • Não vai haver aumento de impostos
  • Prioridade na luta contra o desemprego
  • Consolidadar as finanças públicas
  • Relançar a competitividade das empresas
  • Reforçar a autonomia energética
  • Decréscimo do PIB
  • Controle da inflação
  • Implementação de políticas de recuperação económica
  • Contenção e redução das despesas
  • Apoio ao emprego.
  • Apoio ao investimento privado
  • Apoio aos cidadãos e famílias
  • Política financeira de rigor
  • Taxas de juro que mantenham tendência de subida suave
  • Protocolo de entendimento com a zona euro, etc.,etc.,etc.

Bem, não podemos dizer que já não esperávamos este tipo de argumento...

Os analistas económicos começarão agora a fazer as suas análises àcerca deste orçamento. Uma coisa fica desde já clara: " o buraco é dos maiores de sempre... 9,3", portanto a consolidação económica tardará muito!!!

É certo que a crise vem de muito longe desde os preços loucos do petróleo, da conjunctura internacional, do descalabro dos mercados financeiros, da falência de grandes gigantes financeiros internacionais e consequente arrastamento de empresas a eles ligadas.

A imagem internacional de Portugal ficou bastante descredibilizada e muito colada à da Grécia.

Seria bom que os governantes pensassem no desperdício de dinheiro que eles próprios provocam! Talvez fosse uma ideia a aproveitar começarem também a contribuir para a diminuição do deficit e não pedirem só aos outros para apertarem o cinto. Dêem-nos o exemplo!

Mas há que ir á luta. Fazermos a nossa parte que passará por dar o melhor de nós e lutar com o nosso trabalho e o nosso esforço e... NÃO DESANIMAR!

É a crise. É o ORÇAMENTO...

20 comentários:

  1. O poema diz tudo.PARABENS

    ResponderEliminar
  2. A classe politica deveria dar o exemplo de abdicarem em 10% dos seus vencimentos e de regalias. Se há crise deverá ser para todos e não só para os mesmos. Só se fala também no congelamento dos vencimentos do funcionalismo público... então e os outros (os privados) também não são trabalhadores?
    Vamos sim em prol dum futuro mais promissor sermos coerentes e sérios e pormos em pratica alguma solidariedade para com os mais desprotegidos.

    ResponderEliminar
  3. Não há dúvida de que tudo devemos fazer para ajudar o nosso país a recuperar da crise. Lamentamos toda esta situação mas realmente as atenuantes do governo são fortes e chamam-se conjunctura internacional.
    Porém é bom que não se envie para a Madeira o capital que estão a solicitar, é bom que os políticos tb dêem o exemplo como o dono do blogue aqui diz no artigo, e é bom repensar exaustivamente as grandes obras previstas TGV e Aeroporto que deverão, quanto a mim, esperar por melhores dias.
    A CRISE É PARA TODOS não só para alguns!!!!!!
    Tó Santos

    ResponderEliminar
  4. Mandem dinheiro para Angola, mandem dinheiro para a Madeira, andem com o TGV e Aeroporto, continuem com os carrões de luxo e com os ordenados e alcavalas vergonhosas.
    Nós o Zé povinho pagamos a crise!

    ResponderEliminar
  5. O orçamento reflete bem a situação do país.Ela é mesmo grave.Concordo com os comentários anteriores mas isto tudo já vem de longa data,o que me custa é serem sempre os mesmos a pagarem a crise,mas se a pagarmos e voltarmos a novos tempos ainda bem se isto não acontecer então a gravidade será maior.DEIXO UMA SUGESTÃO:OS TRIBUNAIS PLENÁRIOS ERAM DO TEMPO DO FASCISMO;AGORA DEVIAM CRIAR SE TRIBUNAIS PLENÁRIOS CONTRA A CORRUPÇÃO DE FORMA QUE OS PROCESSOS ANDASSEM RÁPIDAMENTE;CONCLUSÕES FEITAS VERIFICAR PARA ONDE FOI A MASSA E DE SEGUIDA NACIONALISAR OS BENS MESMO DA FÁMILIA E O NOSSO DEFICE JÁ ESTAVA PAGO;e viviamos bem

    ResponderEliminar
  6. O bom exemplo: os autarcas da Câmara Municipal de Vidigueira decidiram, numa medida inédita em Portugal, reduzir em 10% os seus salários, como forma de contribuir para o aumento do vencimento dos funcionários que auferem o salário mínimo nacional.
    in blog "O Platonismo Político" do dia 26.
    PS.: os deputados da AR saberão onde fica a Vidigueira?

    ResponderEliminar
  7. Seria bom que os governantes pensassem no desperdício de dinheiro que eles próprios provocam! Talvez fosse uma ideia a aproveitar começarem também a contribuir para a diminuição do deficit e não pedirem só aos outros para apertarem o cinto. Dêem-nos o exemplo!
    E não façam os pobres e a classe mádia pagar a crise que todos esses bananas dos politicos que lá tem andado, provocaram. Eles sim deviam-na pagar e reembolsar todos os gastos superfulos e luxuosos que andaram a cometer. VIGARISTAS!!!!!!!!!!

    ResponderEliminar
  8. Temos que apertar o cinto para salvar o nosso país e a nossa liberdade, tudo bem. esforcemo-nos todos unamos as mãoes em torno do nosso país e ajud~emo-lo a sair da crise. Porém que não sejam sempre os mesmos SÓZINHOS a pagar a crise. OS RICOS, os PODEROSOS, os POLÍTICOS, os grandes CAPITALISTAS QUE TENHAM VERGONHA E QUE AJUDEM IGUALMENTE O PAÍS.
    Como podem ficar quietos a ver o país na situação que está e com os mais desfavorecidos a pagar a crise SÓZINHOS!!!!!!!!!!!!!! HAJA VERGONHA!!!!!!!!!!
    Helder R.

    ResponderEliminar
  9. Se todos dermos as mãos e fizermos a nossa parte a crise vai ser ultrapassada. Os Sindicatos têm que ver que o momento é grave e é para darmos as mãos e não para desuniões. Deixem-se de esquerdismos bacocos e ajudem a debelar a crise. Isso é que interessa não são cá paragens, greves, desuniões, convulsões, guerrilhas e demagogia.
    Todos somos precisos.

    ResponderEliminar
  10. Gostaria de ver os senhores politicos e governantes a viverem com ordenados de 700 ou 800 euros.... Era bom experimentarem!

    ResponderEliminar
  11. È caso para perguntar quando ganha o sr. ministro das finanças, os seus assessores, secretárias, motoristas, etc. TENHAM VERGONHA e não peçam mais aos pobres que não o têm...

    ResponderEliminar
  12. Será que esse ou essa do esquerdismo vive com 500 euros por mês?A maioria dos portugueses é com o que vivem eu nem quero pensar ou antes penso.

    ResponderEliminar
  13. Uma coisa eu sei, convulsões sociais não fazem cá falta porque poderão tornar o país ingovernável e não queremos isso para o nosso Portugal. Somos um povo unido e que sabe dar as mãos em altura de crise. E esse tempo é agora. Nada de fazermos perigar tudo isto.
    Agora que os ricos deviam ter vergonha e apresentar soluções solidárias, a começar pelos políticos e acabar nos gestores, nos banqueiros, no grande capital.
    Alguém aqui disse tenham vergonha e eu digo o mesmo. TENHAM VERGONHA!!!!

    ResponderEliminar
  14. Então vamos a contas:
    Agua...20
    Luz....30
    Gas....2o
    Remédios...30
    Gasolina...50
    Renda.....200
    Comida?Seguros?
    Filhos ?
    ETC ETC ETC
    Só nisto quanto vai?
    E ainda falam em esquerdismo?
    Ministro quanto ganha?
    Deputado "
    Membros do Governo "
    Directores de Banca "
    Presidentes de empresas do Estado?
    NEM É BOM PENSAR NESTAS COISAS PORQUE SE FICA DOENTE

    ResponderEliminar
  15. A Função Pública tem um aumento de zero, mas o custo de vida aumenta. Como querem que os portugueses sobrevivam? que qualidade de vida esperamos? que futuro para os nossos filhos? RESPONDAM SFF. Desde que aderiram ao euro tem sido o descalabro...
    Que saudades do antigamente...........!

    ResponderEliminar
  16. Tudo que não agrada aos políticos vem logo demagogia eles são mesmo giros

    ResponderEliminar
  17. Sonhos perdidos
    Pedaços fugidos
    Esperança queimada
    Ruína caída

    ResponderEliminar
  18. VIVA A CÂMARA DA VIDIGUEIRA EU GOSTAVA QUE OS NOSSOS FIZESSEM O MESMO.SERÃO?

    ResponderEliminar
  19. Quer dizer passamos a vida a apertar po cinto e em vez de ver melhoria do estado das finanças públicas verificamos que houve agravamento. Além de falhas de gestão, continua a haver despesismo da parte da classe política, luxo, carrões, requintes, almoçaradas e jantaradas em locais de luxo, férias milionárias, Tenham dó e tenham vergonha a crise é para todos,não podem ser sempre os mesmos a pagar a crise.
    Haja vergonha, isto é uma crise de TODOS!!!!!

    ResponderEliminar